Home » Brasil » MPF recomenda uma série de melhorias no Hospital Geral de Vitória da Conquista.

MPF recomenda uma série de melhorias no Hospital Geral de Vitória da Conquista.

As providências solicitadas pelo MPF vão desde a obtenção de alvará da vigilância sanitária à adoção de soluções estruturais para minimizar o problema do mau acondicionamento das medicações e insumos

Sérios problemas relacionados às condições básicas de funcionamento e a deficiências estruturantes no Hospital Geral de Vitória da Conquista levaram o Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA) a recomendar a adoção de diversas medidas para garantir padrões dignos de atendimento à saúde do cidadão conquistense. As providências solicitadas pelo MPF vão desde a obtenção de alvará da vigilância sanitária à adoção de soluções estruturais para minimizar o problema do mau acondicionamento das medicações e insumos.

Por meio de um inquérito civil, o MPF constatou que o hospital não dispõe de alvará de vigilância sanitária para funcionamento, o que é condição para o cadastramento no Conselho Regional de Medicina. Outro problema está relacionado à ausência, periodicidade e irregularidade das reuniões e preenchimento de atas referentes às Comissões de Ética Médica, de Investigação e Revisão de Óbitos, de Revisão de Prontuário e Comissão de Controle e Infecção Hospitalar.

Não bastasse o funcionamento inadequado dessas comissões, outras irregularidades agravam o estado crítico do hospital, a exemplo da desorganização dos prontuários; má higienização dos banheiros no setor de emergência; falha no armazenamento da medicação e menor número de equipamentos do que os especificados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). E mais: a inadequação dos setores de almoxarifado e farmácia podem comprometer a qualidade dos medicamentos e insumos

A fim de sanar essas irregularidades, o procurador da República André Viana encaminhou a recomendação à diretora-geral do hospital, Marilene Ferraz, especificando prazos para adoção das medidas cabíveis: seis meses para sanar os problemas relativos às condições básicas de funcionamento – obtenção de alvará, adequado funcionamento das comissões, organização dos prontuários, adoção de rotinas visando o preenchimento das fichas obrigatórias e a garantia de maior limpeza dos banheiros do setor de emergência -; 180 dias para a adoção de medidas para minimizar o problema do mau acondicionamento das medicações e insumos, e 60 dias para comprovar a localização dos aparelhos encontrados em menor número do que o registrado no CNES.

De acordo com Viana, percebe-se que algumas medidas “demandam solução prioritária, pois implicam em condições mínimas de funcionamento e, também, mais do que recursos públicos, dependem um pouco da boa vontade do gestor e dos atores sociais envolvidos no cotidiano do hospital para melhorá-las”, afirmou.

Além da recomendação, o MPF solicitou que a diretoria do hospital informe sobre o quanto o número de atendimentos no setor de emergência supera a capacidade do hospital; se há previsão de reformas que visem adequação das instalações físicas da farmácia e do almoxarifado e sobre as razões da falta de medicamentos. A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia também deverá prestar informações sobre as irregularidades constatadas e o Conselho Municipal de Saúde deve auxiliar o MPF na fiscalização do cumprimento da recomendação.

Inquérito civil número 1.14.007.000179/2013-17.

Sobre Lucas Souza Publicidade

Lucas Souza Publicidade
Jornalista e Blogueiro.

Verificar também

TCM multa ex-prefeito de América Dourada por nomeações irregulares.

TCM multa ex-prefeito de América Dourada por nomeações irregulares.

  O Tribunal de Contas dos Municípios multou o ex-prefeito de América Dourada, Joelson Cardoso …